Festival gastronómico no Terreiro do Paço

Uma boa alternativa para quem pensa visitar Lisboa nos próximo dias será visitar o Festival gastronómico no Terreiro do Paço, que irá decorrer até ao dia 13, conforme notícia do Público:

“Das ostras aos pés-de-burro, passando pelo sushi e terminando numa grande caldeirada colectiva, os sabores do peixe e marisco estão em foco a partir de sábado na primeira edição do festival gastronómico “Peixe em Lisboa”.

O festival decorre até dia 13 e dedica um dia da semana a um tema específico: peixe de mar, peixe de rio, bacalhau, conservas e os melhores acompanhamentos para os saborear são alguns dos temas do festival, que se pretende impor internacionalmente como paragem no circuito gastronómico internacional.

No espaço do Pátio da Galé, no Terreiro do Paço, os visitantes poderão encontrar representações permanentes de vários restaurantes famosos da região de Lisboa: Ribamar (Sesimbra), Pragma, Eleven, Terreiro do Paço (Lisboa), o restaurante do Hotel Lapa Palace e dos Hotéis Tivoli dão a conhecer as criações dos seus “chefs”.

Vítor Sobral, Giorgio Damasio, Paulo Morais, Fausto Airoldi, Luís Baena, Joachim Koerper são os profissionais que mostrarão técnicas e segredos que lhes valeram o estatuto de “chefs” conceituados.

O director do festival, Duarte Calvão, da Associação de Turismo de Lisboa – que organiza, juntamente com a Câmara de Lisboa – afirmou que, apesar de figuras de proa de restaurantes de luxo, o festival “é para o público”.

Dias temáticos

“Quisemos explorar várias sensibilidades, várias abordagens, tendo o peixe como tema: no sábado o tema é peixe de mar, no domingo o marisco, na segunda-feira o bacalhau, na terça os peixes de rio, na quarta as conservas”, explicou.

Na quinta-feira o enfoque é nas “preciosidades”, os mariscos menos correntes, como as “bruxas” de Cascais, os “pés de burro” ou as ostras, e na sexta-feira as “companhias” escolhidas para o peixe – arroz, azeite ou vinhos.

No sábado, o dia é dedicado à cozinha de vanguarda e no domingo, último dia do festival, tudo termina numa “grande caldeirada colectiva”, em que a organização espera juntar o maior número de “chefs” possível.

Vítor Sobral, do restaurante Terreiro do Paço, é responsável pelo dia dedicado ao bacalhau (segunda-feira, 7 de Abril), e disse à Lusa que vai tentar “fazer com que as pessoas comprem e comam melhor bacalhau”. “Vou apresentar receitas e várias técnicas de preparar o bacalhau”, afirmou, acrescentando que festivais deste tipo já se deviam fazer há anos”.

De pescadores a críticos

“É muito importante que haja coisas destas, que tenham algum retorno a nível internacional. É também importante que venham mais “chefs” de fora, que trazem e levam sempre mais-valias, seja para a economia seja para a marca Portugal”, argumentou.

“Nós estamos atrasados, já devíamos fazer isto há anos. Portugal tem argumentos para se impor internacionalmente, mesmo sem saber explorá-los. Temos peixe com uma qualidade fantástica, mas muito é exportado, quando devíamos passar a mensagem de que quem quiser comer este peixe fantástico tem que vir a Portugal”, salientou.

Além de chefes de cozinha, que cozinharão e darão aulas – que carecem de inscrição – o festival contará também com pescadores, críticos gastronómicos, enólogos e até uma bióloga do Oceanário para falar sobre o consumo sustentável de peixe, integrados em vários debates realizados num auditório anexo ao espaço principal do festival.

Com tantas variedades de peixe e marisco a comer, a organização do festival pensou também no que se bebe a acompanhar: vinho e cerveja serão também vedetas durante os nove dias do Peixe em Lisboa.

Entrada a 15 euros

Quem quiser entrar no festival paga 15 euros de entrada, que dá direito a um menu de degustação no valor de cinco euros e a um copo no qual o visitante poderá provar todos os vinhos em exposição.

Dentro do festival, há menus de degustação no valor de cinco e de oito euros. O visitante pode escolher o prato nas representações presentes e sentar-se nas arcadas para comer, com animação musical ao vivo.

Para quem não resistir a levar alguma recordação para casa, haverá também permanentemente um mercado “gourmet”, de produtos que vão do vinho ao chocolate.

O festival funciona de segunda a sexta-feira entre as 12h00 e as 23h00 e ao fim de semana entre as 11h00 e as 23h00.”

Fonte: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1324773