National Geographic lança site de alojamentos únicos e sustentáveis

De retiros no topo de montanhas e falésias a cabanas no meio de florestas tropicais ou ilhas paradisíacas. É de alojamentos únicos e luxuosos mas com preocupações de sustentabilidade que se faz o Unique Lodges of the World, lançado esta semana pela National Geographic Society.

Na colecção inaugural destes “alojamentos únicos do mundo” cabem cabanas de palha situadas no meio de florestas costeiras na Costa Rica, luxuosas tendas com vista para Uluru, na Austrália, para o Parque Nacional do Serengeti, na Tanzânia, ou para a planície na Mongólia e para o deserto no Chile. Há retiros reconstruídos nas Montanhas do Atlas, em Marrocos, e junto a Paro, no Butão. E muito, muito mar a perder de vista, na África do Sul, na ilha do Fogo (no Canadá), na Polinésia Francesa ou na Grécia.

Em comum têm o facto de “oferecerem serviços de elevada qualidade, experiências autênticas e significativas e adoptarem práticas de turismo sustentável”, enumera Lynn Cutter, vice-presidente executiva da National Geographic na área de Viagens e Licenças, em declarações à Fugas. No total, são 24 “hotéis boutique”, localizados em “lugares extraordinários” pelos quatro cantos do globo, e, acima de tudo, com preocupações ambientais, de preservação das heranças culturais e de apoio às comunidades locais.

“Começámos a ver que cada vez mais alojamentos ‘de sonho’ ofereciam experiências e serviços extraordinários e eram, ao mesmo tempo, líderes na sustentabilidade”, conta-nos a responsável, por email. “Enquanto organização científica sem fins lucrativos e organização de media a nível global, sentimos que tínhamos uma oportunidade única para chamar a atenção para estas propriedades espectaculares”, defende. Para Costas Christ, especialista em turismo sustentável e editor na revista de viagens da organização internacional, esta iniciativa “abre um novo capítulo no poder das viagens para proteger o nosso planeta”.

A colecção inicial integra 24 unidades hoteleiras, escolhidas a dedo pela equipa, que “visitou cada local, conheceu funcionários, escrutinou o impacto do alojamento no meio envolvente e comunidade locais e assegurou-se de que os critérios estabelecidos eram cumpridos”, referem em comunicado. “Agora que lançámos [o projecto], convidamos todos os hotéis que cumpram os critérios [explicados no site] a candidatarem-se”, avança à Fugas Lynn Cutter. “O nosso objectivo é ter 50 propriedades até ao final de 2015.”

De acordo com a responsável, até agora “nenhuma unidade hoteleira portuguesa se candidatou”, numa selecção onde o continente europeu é o mais desfalcado. Apenas o Kapari Natural Resort, na ilha grega (e muito turística) Santorini, tem lugar na colecção inaugural.

Este é, no entanto, um catálogo de luxo sustentável só acessível a algumas carteiras. Tendo em conta apenas a opção mais barata de cada hotel integrado na lista, o quarto mais em conta custa 145€ (172 dólares) por quarto por noite e fica no Zhiwa Ling Hotel, no Butão. O alojamento mais caro vai de 3164€ (3750 dólares) a 9491€ (11.250 dólares), dependendo do número de quartos da villa, valores expectáveis quando falamos de The Brando, na Polinésia Francesa, a ilha privada do famoso actor norte-americano (Marlon Brando).

No site Unique Lodges of the World é possível fazer a reserva do alojamento pretendido, e alguns dos hotéis oferecem mesmo pacotes de experiências feitos exclusivamente para quem reserva pelo site. Os interessados podem ainda associar à estadia a adesão a uma expedição organizada pela National Geographic ou reservar uma das novas “Expedições Privadas”, “oferecidas em parceria com a Virtuoso, rede internacional de agências de viagens e assessores focadas no luxo”.

Fonte: Fugas